sexta-feira, 17 de junho de 2011

Droga de ano ímpar



Cheguei a conclusão que esse ano está passando rápido demais. Foi quando estava pensando em dezembro do ano passado. Todo mundo fazendo diversos e diversos planos, prometendo milhares de coisas, conhecendo algumas pessoas aqui ou reencontrando algumas pessoas ali em alguma dessas festinhas que rolam por ai no final do ano, todo mundo muito animado ou todo mundo muito deprimido. De forma geral, todo mundo contando com 2011, fosse para manter a energia ou quem sabe, receber uma gotinha de animo qualquer. Eu estava no meio de todo mundo. Por que eu fiz planos, fiz promessas, conheci e reencontrei gente, fiquei animada de andar por ai com um sorriso de orelha a orelha e deprimida de morrer na próxima esquina. Eu, assim como muita gente, esperei, com todas as minhas expectativas e toda ansiedade que Deus me deu, que 2011 chegasse logo e com ele viesse um bocado de realizações e, claro, só felicidades.
Apesar de 2010 ter sido um ano maravilhoso pra mim, eu acreditei que poderia melhorar. Claro, sou ser humano e nunca estou satisfeita com nada. Além do mais, tenho mania de perfeição, pra mim nada nunca está bom o suficiente. Isso fode com a minha vida. No entanto, apostei todas as minhas fichas no ano que estava pra nascer. Esperei que todos os problemas morressem assim que o relógio marcasse meia noite. Assim como esperei que tudo de bom se tornasse eterno na meia noite também. Esperei, criei expectativa e quebrei a cara.
Foi pensando em todos os meus planos, minhas promessas e nos desejos que fiz no último minuto do último dia do ano, que eu percebi que o tempo está correndo cada vez mais rápido. O tempo está realmente voando e a brisa que bate no meu rosto alerta: eu não fiz nem metade do que pretendia. Junho chegou com um ar desesperador me lembrando que minha vida não está nada boa. Assim como meu guarda-roupa, minha vida anda uma bagunça. Só eu consigo me achar lá dentro e ninguém ousa se aproximar com medo de sair um bicho dali. Junho chegou pra me lembrar que eu era feliz e não sabia. Meu Deus, como eu era feliz. E eu que pensava que 2011 seria o melhor ano pra se viver de verdade, aqui estou eu só existindo.  


3 comentários:

Maria Beatriz de Castro disse...

Que isso menina! Entendi perfeitamente seu blog, mas quer saber? Isso de ficar só "existindo" e aceitando isso e se rotulando com isso,não tá com nada! Eu também fiz planos no reveillon, pulei 7 ondinhas, gritei com Iemanjá, rezei, pedi aos céus, aos fogos de artifício, fechei os olhos, e quando chegou 00:01, nada mudou. Mas dentro da gente muda muita coisa,quando a gente quer. Quando a gente espera, e quando a gente acredita. Não se contente em só existir não. Nada muda num passo de mágica,mas vai ser mágico quando você perceber o quanto mudou por conta de si mesma. Beijinhos!

http://biacentrismo.blogspot.com

Maria Beatriz de Castro disse...

ps.: entendi perfeitamente seu TEXTO, e não seu blog, como escrevi ali em cima. haha! beijo

estupidascartasdeamor disse...

Tens razão e estou no mesmo barco que você. É realmente perturbador olhar pra trás e ver que já se passaram seis meses e não ter acontecido nada do que desejamos e nem termos feito nada do que planejamos. Mas vamos aproveitar que a ficha caiu, ainda temos mais seis meses para viver e fazer o ano valer a pena, não é? Aliás, adorei o modo direto que você lidou com a questão de " estar vivendo ou apenas existindo", Parabéns.

Postar um comentário